josé-júlio lopes

NEFERTITI

nota biográfica

José Júlio Lopes (Lisboa, 1957) | compositor

Estudou piano com Teresa Menéres e Nuno Vieira de Almeida e estudou composição com Fernando Lopes-Graça e Christopher Bochmann (entre outros); participou em masterclasses e seminários de composição de Emmanuel Nunes na FCG e Franco Donatoni, na Royal Academy of Music (Londres). Paralelamente, José Júlio Lopes também completou um mestrado em Ciências da Comunicação (UNL, 1995) e conclui um doutoramento sobre o tema «nova música, novos dramas, novos media: a ópera do futuro». É professor, e é também investigador no CESEM (UNL).

Foi co-fundador e director artístico da ORCHESTRUTOPICA (OU).

Começou por compor música de cena, e desde 1979 colaborou em inúmeras produções de teatro. Na sequência desse trabalho inicial de composição para teatro, interessou-se pela ópera e por projectos de teatro musical. Em 1986, apresentou «Averroes», teatro musical multimedia, a partir de um conto de JL Borges (Teatro da Nova). Em 2000, compôs a ópera «Nefertiti» (Teatro da Trindade, Cesário Costa); e, em 2007, a ópera «W» (CULTURGEST, Tapio Tuomela).

Algumas das suas obras mais relevantes incluem «Pyr - orquestra de câmara» (OU, Tapio Tuomela, CCB GA, 2003); «Magma» (OU, Cesário Costa, CdM Porto, 2005); «SpaceCtrl – orquestra de câmara» (OU, Cesário Costa, Dresdner Musik Festspiele, Dresden, 2005); «Dazibao» - percussão e ensemble (CULTURGEST, 2006, Jean-Sebastien Béreau; Elisabeth Davis); «Verschwinden I» – quinteto, electrónica ao vivo, vídeo e guitarra electrónica (2009, CCB-PA) e «Verschwinden II» (2009, CULTURGEST); «X-Acto», para orquestra e recitante (2009, CCB GA, OML, Pierre-André Valade, São José Lapa); mais recentemente apresentou «Undo» (Teatre Talia, Festival ENSEMS, Valencia, Espanha, OU, Cesário Costa, 2010), «SpaceCtrl II» (OU, Jean-Sebastien Béreau, 2010), «Utos – orquestra» (OU, Cesário Costa, 2011), «Dark Times Quintet» (2013, Grup Instrumental de Valencia, Joan Cerveró, CdM, Porto) e «Verbingung [Ligações]» (2015, Vilamoura, Solistas da OU, Cesário Costa).

Projectos futuros incluem a estreia da ópera «SNIPER» e de «Lumen», para ensemble, electrónica e coro (SATB).